aplicativos, app, branding, Campanha, Inovação, Internet, Marketing Digital, varejo, venda

Na contramão da crise: aplicativo ajuda varejistas a aumentar o fluxo de clientes

Com promoções para público segmentado, aplicativo promete encontrar novos clientes para supermercados

Na contramão da crise: aplicativo ajuda varejistas a aumentar o fluxo de clientes

A crise pela qual os brasileiros estão passando ainda não foi superada. Entre os muitos problemas gerados está a oscilação dos preços em supermercados, por exemplo. O que hoje custa um determinado valor, em 15 dias pode vir a custar bem mais. Além da dificuldade em organizar os gastos com alimentos e outros produtos devido à inflação acima da média, a diminuição da renda por conta do desemprego também dificulta a vida dos consumidores e, consequentemente, dos mercados.

Este panorama economicamente negativo se expressa no cotidiano do brasileiro. Recentemente, o Presidente Interino, Michel Temer, permitiu a importação de feijão no país para conseguir diminuir o preço do grão que, nos últimos 12 meses, aumentou 41,62% – de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Com essa situação, varejistas – sejam de pequenas ou grandes redes – precisam buscar novas formas para superar a crise e manter clientes.

Hora de reverter o quadro

De acordo com os dados divulgados pela CNC (Confederação Nacional do Comércio) a pedido do jornal O Globo , o número de varejistas que fecharam as portas de suas lojas subiu 52% entre 2014 e 2015. Entretanto, o mercado sempre abre espaço para que inovações encontrem alternativas capazes de reverter a recessão e apresentar opções viáveis para os consumidores. O setor de varejo necessita, mais do que nunca, de ferramentas práticas e acessíveis que lidem diretamente com a ponte entre quem vende e quem compra. A partir desta demanda, o Sav@Price foi elaborado.

O aplicativo tem como foco o setor de varejo e sua principal função é facilitar a interação entre os varejistas e os consumidores, estabelecendo uma conexão para divulgação de preços, ofertas e promoções de modo efetivo e consistente. “Os supermercados precisam repensar e criar novos métodos de vendas, nosso aplicativo ajuda a conquistar novos consumidores, pois já possuímos uma base de usuários cadastrados que procuram por transparência e por preços mais baixos”, afirma Marcos Theodoro Siqueira Filho, CTO & Co-Founder do Sav@price.

Com o Sav@Price é possível mensurar quem recebeu as ofertas de determinado varejista e por qual loja o consumidor optou no momento da escolha do supermercado. Um dos grandes diferenciais do aplicativo é propiciar a interação com os consumidores da região onde o varejista possui estabelecimento, ou seja, isso evita a perda de informações para os clientes que pertencem a outras regiões e não irão àquela loja devido a distância. Os varejistas, por sua vez, conseguem atender demandas no comércio local – o que garante maior fidelização por parte de quem consome.

“Nossa ideia, é aumentar o fluxo de consumidores no seu estabelecimento, com isso proporcionar um crescimento das vendas”, diz Siqueira. Os supermercados podem divulgar suas promoções segmentadas por frequência de compra, preferência por linha de produto ou marca, idade e sexo – focando num público específico. “Com a Sav@price os estabelecimentos conseguem fazer campanhas baseadas nas sazonalidades ou até mesmo para produtos próximos do vencimento”, completa. Este é um método efetivo quando se leva em consideração o contexto de crise econômica. Promoções e ofertas sempre ligadas a datas específicas têm grande efetividade.

Vantagens para o Varejo

Criar um canal de comunicação dinâmico entre varejista e consumidor é apenas uma das muitas possibilidades que a ferramenta apresenta. Se o lojista estiver com dificuldades para lançar campanhas devido à falta de tempo, ele pode utilizar o portal do Sav@Price para efetuar criações “just in time”. Caso a interação com os clientes também seja um fator problemático por motivos processuais, o app permite que o contato num ambiente totalmente online sem que haja necessidade de instalações.

Organização e gestão de informações são elementos indispensáveis a qualquer varejista. Outro aspecto do aplicativo é justamente a capacidade de permitir a automação de processos referentes a PDV, controle de estoque e ERP do supermercado com a ajuda de um software. Com o fluxo de dados, documentos e registros em ordem, há sobra de tempo para investir em outras demandas internas – e na captação de novos clientes.

O Sav@price possui um portal na internet e aplicativos para iOS (Apple) e Android (Google). O varejista e/ou consumidor só precisa fazer o download nas lojas Apple Store ou Google Play para começar a receber ofertas. Para saber mais, e entender como ser parceiro da plataforma, acesse .
Website: http://www.savprice.com

Anúncios
Campanha, comunicação, marketing, varejo, venda

Aproveite a sazonalidade para vender

Dados coletados em datas como Dia das Mães, Black Friday e Natal são ideais para fazer abordagens personalizadas durante todo o ano

 

1105757_46928318.jpg

As principais datas do e-commerce, como Dia das Mães, dos Pais, dos Namorados, e, especialmente, Black Friday e Natal, são as melhores oportunidades para fortalecer a conexão com cada cliente para compras recorrentes durante todo o ano. Durante as interações realizadas no período os consumidores fornecem informações cadastrais e compartamentais por e-mail, nos sites ou nos pontos de venda, que podem ser utilizadas para personalizar futuras experiências de compra.

Estar presente nos momentos mais importantes é fundamental para todo tipo de relacionamento, inclusive com o consumidor. O principal passo para a fidelização é enviar mensagens de aniversário, ou no pós-venda, para agradecer e celebrar a lealdade desse cliente. Essas ações inclusive possibilitam adquirir novas preferências, que tornam as próximas campanhas ainda mais assertivas.

A assertividade começa pela humanização da abordagem. Uma mensagem pessoal, chamando o cliente pelo primeiro nome no título, aumenta as chances de conversão em 26%, em relação aos e-mails promocionais regulares, de acordo com levantamento da Serasa Experian Marketing Services. Outra opção é selecionar o horário para o envio de e-mail naquele em que o usuário costuma navegar, assim a mensagem sempre ficará entre as mais recentes.

A cereja do bolo para se manter relevante é a persistência, de forma sutil. Quando a marca já está na mente do consumidor, as campanhas de remarketing para recuperação de carrinhos abandonados e também o comportamento de navegação são oportunidades mais certeiras para oferecer descontos, frete grátis e sugerir produtos de seu interesse, garantindo vendas eventuais ou recorrentes durante todo o ano.

Fonte: Serasa Experian

comunicação, telecomunicação, varejo, venda

Brasil tem mais de 227 milhões de celulares

Apenas em setembro foram 3,3 milhões de novos planos, diz Anatel

 

 Minha nossa, que coisa louca! Segundo pesquisa da Anatel – Associação Nacional de Telecomunicações – , em setembro registrou-se no Brasil  3,3 milhões de novos acessos de telefonia móvel. No total são 227,4 milhões de celulares habilitados no país. Quem segura as ações de Mobile?

Do total dos celulares no País, 185,6 milhões de aparelhos são pré-pagos (81,64%) e 41,7 milhões pós-pagos (18,36%).

Avante Marketeiros, Mobile com força total!

 

pdv, treinamento, varejo, venda

Treinamento é fundamental.

Preciso partilhar com vocês um fato que ocorreu comigo ao visitar uma grande loja de departamentos ontem.

Um fato constante tem acontecido comigo, sou récem-casada e coincidência ou não, o fato de completar um ano de casada, me fizeram passar para o patamar dos eletromésticos rebeldes, que são aqueles que “manifestam falta de interesse profissional”, ou seja, quebra e pronto! Será que meus pais estão certos? “Eletrodomésticos do passado duravam mais! Os de hoje, duram 1, no máximo, 2 anos”.

Bom, o fato é que a sanduicheira, o aspirador de pó, a lavadoura e até a minha chapinha, vejam bem, como pode isso? pararam de funcionar. Ontem resolvi sair para comprar alguns deles que não valem a pena o conserto.

Andando pelo shopping, me deparei com uma bela vitrine, decorada, bem chamativa, com os descontos atraentes em sua linha de eletrodomésticos. Na verdade não havia pensado em realizar a compra ali, pois tinha em mente que aquela grande loja de departamentos era boa em cama, mesa e banho, vestuário… mas percebi que havia ali uma promoção atraente, o que fiz? Entrei!

Entre mantas, cobertores, cortinas e pijamas, consegui encontrar a seção de eletros. O pequeno e entulhado espaço das “chapinhas” e das sanduicheiras ali estavam no corredor central da loja. Fiquei feliz! É hoje, pensei! Mas essa felicidade foi tão momentânea…. me vi com inúmeras marcas, modelos, qualificações que confesso não ter me imaginado nessa situação. Para quem me conhece, tenho o cabelo “relativamente” liso, com pequenas “ondas” que me atormentam, e por isso achei que não precisaria de curso de especialização para comprar uma simples chapinha.

Percebi então que precisaria de uma ajuda profissional… fui à busca de uma vendedora. Onde? Ali? Cadê? Gente, quase 20 minutos aguardando…

A funcionária designada pela sub-gerência ao pronunicar suas primeiras frases deixou claro que sabia menos que a minha sobrinha de 6 anos, que diga-se de passagem, tem cabelo liso!

Ficamos eu, ela e meu marido e com seu olhar peculiar, olhando inúmeras caixas, especificações técnicas para tentar encontrar um atributo que compensasse a aquisição por uma determinada caixa. Que caixa! Depois de muitas caixas abertas, quase 1 hora depois, consegui chegar a uma veredito: a minha chapinha com 180graus super-especial-mega-bluster!

O despreparo, a falta de treinamento eram visíveis, a funcionária começou a tremer, mal sabia o que significavam aqueles nomes “gringos” que ela mesmo mencionou. E o pior, a superior imediata, a sub-gerente, também não ajudou muito.

Ai me pergunto: como uma grande loja, marca solidificada no mercado, “abre as portas” da suas lojas para uma promoção específica e não qualifica o mínimo necessário de seu corpo funcional? Vitrines super bem decoradas, atraentes e na hora do fechamento da venda, vendedoras que mal sabem a diferença de 150 para 180 graus… “water”, não sei quem é esse homem não moça! !!!!!

Não estou questionando um super treinamento, mas gente, quando resolvi um dos problemas e tentei adquirir ouvi um: basta! Era meu marido colocando um ponto final da história: “pelo amor, não vamos gastar mais 50  minutos para comprar a sanduicheira né?” o problema se alastrava em quase todos os setores/departamentos da loja. Como assim? Como pode?

Onde andam os promotores tão importantes nos Pdv´s? Onde andam os Rh´s dessas empresas? Isso me fez lembrar de uma outra loja de departamentos que deixa seus colaboradores com um super-hiper crachá identificando-os em fase de treinamento e ao lado de cada um, um tutor o segue a todo canto da loja.

Não sou especialista em varejo, sei que hoje grandes empresas investem sim em treinamento, em reciclagem, em capacitação, mas fica aqui o alerta: tem muita gente que pensa que o simples fato de “gastar” com comunicação visual e vitrinismo basta, não basta! Por mais que o público tenha acesso às tecn0ologias modernas, que os hábitos mudaram etc, muitos precisam sim de um auxilio pessoal.  A redução de funcionários ou de treinamento aos mesmos gera, ao meu ver, uma falsa e ilusória economia. Acham que comprarei a lavadora lá?

Comentem sobre o assunto. Especialistas, quero ouví-los.