Campanha, carreira, educação, empreendedorismo

O que a resiliência e a educação empreendedora podem fazer pelo seu filho?

Estudo comprova que crianças que crescem em lares onde o empreendedorismo é tido como estilo de vida e a resiliência uma importante ferramenta para a formação terão maiores chances de se tornar um adulto de sucesso

resiliencia

Tenho ouvido João Kepler falar sobre a resiliência há um bom tempo porque assim como ele, sempre acreditei ser fundamental as pessoas desenvolverem a característica de absorver os acontecimentos e se reinventarem de forma a voltarem a ser o que eram antes ou pessoas ainda melhores, moldadas e experientes. Desenvolver a capacidade de se adaptar as mudanças e ser flexível diante delas ao ponto de usá-las a seu favor, por si só já é motivo de admiração.

A seguir, compartilho texto de Kepler a respeito de como a resiliência e a educação podem contribuir para a formação das crianças, vejam…

Tive acesso a uma pesquisa que só fez confirmar toda a minha teoria fundamenta na prática de vida e de mercado, afinal, a resiliência é uma característica comum (ou deveria ser) a qualquer empreendedor. Duas psicólogas desenvolveram um estudo com 700 crianças que nasceram na ilha de Kauai, no Havaí, no ano de 1955. O incrível e revelador é que mais de 60 anos depois os resultados comprovam a importância do papel dos pais enquanto mentores, orientadores.

Emmy Werner e Ruth Smith dividiram as crianças em dois grupos, condições favoráveis que era composto por aqueles com uma família estruturada e amorosa e estabilidade financeira e no outro estavam às crianças de famílias muito pobres, doenças na família, pais alcoólatras e violência doméstica também eram fatores de risco no segundo grupo. As crianças foram avaliadas em diferentes idades: com 1, 2, 10, 18, 32 e 40 anos. Só por essa divisão a grande maioria de forma natural apostaria que o segundo grupo apresentaria mais problemas ao longo da vida, certo? Ficou comprovado que isso era verdade para duas em cada três crianças do grupo de risco, mas o fato é que aquele um terço surpreendeu os cientistas.

As pesquisadoras os definiram de uma forma bem interessante, foram chamados de “vulneráveis, mas invencíveis” e passaram a vida adulta sem problemas significativos. Por que essa definição? Constataram que eram competentes, confiantes e carinhosos, e deram a essa capacidade de se adaptar e superar os fatores de risco o nome de “resiliência”. Os estudiosos identificaram três fatores que impulsionaram a resiliência nas crianças de Kauai: a sua própria personalidade, um cuidador de confiança e a sensação de pertencimento a uma comunidade.

Citei essa pesquisa para mostrar que comprovadamente as crianças enxergam nos pais um espelho, principalmente nos primeiros anos de vida e que a sensação de confiança e pertencimento faz com elas possam desenvolver sua personalidade da melhor forma possível. Note ainda que os “invencíveis” eram, desde pequenos, reconhecidos como ágeis, espertos, encontraram pelo menos uma pessoa para ser sua “âncora” no caos familiar: seja um dos pais, um avó ou um professor, por exemplo. Com essa pessoa, puderam estabelecer um laço de carinho e confiança.

E o mais interessante e o que quero destacar neste artigo é que assim como adotar um estilo de vida empreendedor a resiliência pode sim ser aprendida. Pesquisas recentes associam a resiliência com a plasticidade cerebral, a capacidade do nosso cérebro de se adaptar a condições adversas. Por isso, a líder atual do projeto, Lali McCubbin, “defende que a resiliência seja vista mais como um processo do que algo que uma criança tem e a outra não”.

Acabei de lançar recentemente o livro Educando Filhos para Empreender – Editora Ser Mais (Literare Books), e nele falo justamente que é possível se tornar um empreendedor no sentido mais amplo da palavra. Nem todo mundo nasce cheio de ideias e vontade de fazer diferente, mas acredito que assim como a pesquisa mostrou em relação à resiliência que todos e, principalmente, as crianças podem ser treinadas e adquirir ao longo da vida características para melhorar a forma com que lidam tanto com os maiores desastres quanto com os estresses do dia a dia, pode ser também com o empreendedorismo.

Na minha visão, ser empreendedor é muito mais que abrir o próprio negócio, trata-se de uma atitude, da forma de enxergar e encarar as coisas, é uma forma de agir (e reagir), de pensar e de viver. Acredito que as pessoas que absorvem tais características estarão sempre um passo à frente, tanto na vida pessoal quanto na profissional. Defendo a teoria de que os pais precisam preparar seus filhos para o mundo e não tentar mudar o mundo para eles. Dê ao seu filho a chance de ver o mundo com outros olhos, o da resiliência e do empreendedorismo, que juntos podem ajudar a construir o futuro sonhado.

O livro Educando Filhos para Empreender pode ser encontrado no site da Livraria Saraiva: http://www.saraiva.com.br/educando-filhos-para-empreender-9349494.html

 

Sobre João Kepler:
Reconhecido como um dos Palestrantes mais sintonizados com Inovação e Convergência Digital do Brasil; Especialista em e-commerce, marketing, empreendedorismo e vendas; Investidor Anjo, líder do Núcleo Nordeste da @AnjosdoBrasil; Participa em mais de 40 Startups; Associado nas Investidoras Bossa Nova Investimentos e Seed Participações; Lead Partner da Plataforma @DealMatch; Cotista e Mentor nas aceleradoras@StartYouUp, @85Labs e @Aceleratech; Premiado como melhor Investidor Anjo de 2015 no prêmio Spark Awards da Microsoft, Empreendedor Serial, Conselheiro da @GCSM Global Council of Sales Marketing, CEO na plataforma SDI de Event Ticketing; Colunista de diversos portais no Brasil; Palestrante Internacional; Escritor, autor e coautor de Livros [O Vendedor na Era Digital] e [Vendas & Atendimento]; [Gigantes das Vendas] e [Educando Filhos para Empreender]; Premiado em 2013, 2014 e 2015 como um dos maiores Incentivadores do Ecossistema Empreendedor Brasileiro; Espalhador de Ideias Digitais e Melhores Práticas em Negócios.
Anúncios