Campanha, comunicação, evento, Financeiro e Negócios, Tecnologia, telecomunicação

Copa e Tecnologia: Quais as tecnologias implantadas nos estádios, na infraestrutura das cidades e na mobilidade das pessoas?

tecnologia na copa

Copa e Tecnologia: Quais as tecnologias implantadas nos estádios, na infraestrutura das cidades e na mobilidade das pessoas?

Prof. Me. Silvio Renato Messias de Carvalho

Grandes eventos esportivos como Olimpíadas e principalmente a Copa do Mundo trazem consigo grandes saltos na evolução tecnológica. E a Copa do Mundo 2014 no Brasil não será diferente.

Para a transmissão de um evento destas proporções será montado o Centro Internacional de Coordenação de Transmissão (IBCC, na sigla em inglês) para captar o sinal dos jogos e fazer a transmissão internacional para emissoras de mais de 200 países que adquiriram direitos de mídia da FIFA. Neste centro também é feito o controle de qualidade de produção para que os jogos tenham o padrão FIFA de qualidade. Em termos de transmissão o diferencial desta copa será a captação e produção de alguns jogos na resolução 4k. A resolução 4k, também chamada de Ultra HD, supera em quatro vezes a nossa conhecida resolução Full HD da televisão digital. É uma resolução para grandes telas, acima de 60 polegadas. Porém não poderá ser vista na transmissão da TV aberta porque o sistema de TV digital brasileiro não comporta tal resolução. Talvez alguma operadora de cabo possa oferecer para seus assinantes o sinal Ultra HD, porém será necessário ter um decodificador apropriado na recepção. Câmeras para captação 4k podem capturar até 900 frames por segundo o que significa uma super câmera lenta ou ultra slow motion. A TV estatal japonesa NHK pretende ir além e fazer testes de captação na resolução 8k, uma resolução dezesseis vezes maior que a resolução Full-HD.

Continue lendo “Copa e Tecnologia: Quais as tecnologias implantadas nos estádios, na infraestrutura das cidades e na mobilidade das pessoas?”

marketing, Redes sociais, telecomunicação

WhatsApp transmite 27 bilhões de mensagens em um dia

Particularmente, não vivo mais sem o WhatsApp. E você, já o conhece? Se não, teste-o, eu cai na tentação e confesso que facilita muita a minha vida.

Para Androids, ele é gratuito, já para quem usa iPhone, precisa pagar U$0,99.

Com ele você pode trocar mensagens como se fosse SMS para qualquer outro celular desde que o outro também tenha instalado o WhatsApp Messenger, e o que é bom, o serviço é gratuito e permite também o envio de mensagens multimídias, como fotos, áudio etc.

Hoje, ao ler na Folha online, me deparei com esse número, prova de que o serviço foi realmente aprovado.

13098281

O serviço de mensagens via internet WhatsApp anunciou no Twitter nesta quinta-feira (13) que quebrou um novo recorde: 27 bilhões de mensagens transmitidas em apenas um dia. Foram 10 bilhões de mensagens enviadas e 17 bilhões recebidas.

A diferença entre os números se dá devido ao recurso de bate-papo em grupo, em que uma mesma mensagem pode ser enviada para diversas pessoas.

Na conferência Dive Into Mobile, realizada pelo “All Things Digital” em abril, o presidente-executivo do WhatsApp Jan Koum afirmou que a média diária de troca de mensagens no aplicativo é de 8 bilhões de envios e 12 bilhões de entregas.

Fonte: Folha de SP de 13/06/2013

comunicação, telecomunicação

Estudo revela crescimento em pagamentos por celular

Cenário indica que oportunidade para aumentar adesão a esta nova tecnologia está na educação dos consumidores

A MasterCard Worldwide divulga dados de estudo que mostra o nível de preparo e aceitação do pagamento por celular em 34 países, que, juntos, representam cerca de 85% das despesas das famílias ao redor do mundo. O MasterCard Mobile Payments Readiness Index (MPRI) (Índice de Preparo para Pagamentos Móveis) analisou o cenário nestes mercados e fez uma comparação entre estes ambientes e levou em conta a aceitação em cada um deles, de três tipos de pagamento por celular: entre pessoas, em compras na internet e pagamentos sem contato no ponto de venda.

Na comparação entre países, o Brasil ficou em 16º lugar, sendo o pagamento de compras pela internet (m-commerce) a forma preferida pelos consumidores brasileiros, seguida pelo pagamento sem contato no ponto de venda. O índice da MasterCard foi feito com o objetivo de constatar não somente quais mercados globais estão mais preparados para adotar pagamentos móveis, mas o que deve ser feito em cada um para seguir em frente. Para chegar a uma conclusão, uma séria de dados foram analisados, sendo as pontuações derivadas de um algoritmo composto por mais de 50 elementos, entre eles dados econômicos, demográficos, de telecomunicações, pagamentos, indústria, e pesquisas com consumidor para identificar sua aceitação para esse novo meio de pagamento.

Em uma escala de 0 a 100, os 34 países registraram um índice médio de 33,2 em relação à aceitação e preparo para adotar pagamentos móveis. Nenhum mercado atingiu o ponto de inflexão (60), o que indica que ainda há muito o que se fazer até que este se torne o principal meio de pagamento adotado pelos consumidores. Os outros mercados pesquisados na América Latina foram Argentina, Colômbia e México que, juntamente com o Brasil, obtiveram pontuação média de 28,9, quatro pontos a menos do que a média global. As maiores pontuações da região foram a do Brasil (33,4 pontos) e a da Colômbia (32,4 pontos). De acordo com o Índice (que levou em consideração conhecimento, disposição para usar e frequência de uso dos três tipos de pagamento por celular) o preparo do consumidor é fundamental para o sucesso dos pagamentos móveis.

MPRI: Principais findings do índice no mundo e na América Latina
Disposição do consumidor para adoção de pagamentos móveis:

No mundo inteiro, a população mais jovem (18-24 anos) é quem apresenta maior disposição para adotar o pagamento móvel frente ao uso do dinheiro em papel moeda ou até mesmo dos cartões;

Na América Latina, este cenário varia de acordo com o mercado e com alguns fatores de consumo:

Colômbia: a disposição do consumidor em adotar esta nova tecnologia aumenta com sua idade, enquanto no México, cresce conforme o aumento do poder de compra do consumidor.
Brasil e México: consumidres conhecem e estão dispostos a adotar pagamentos móveis em igual número;
Argentina: os consumidores estão particularmente mais dispostos a usar pagamentos por celular para fazer transferências e pagamentos pessoa a pessoa.

A conclusão é que é necessário educar o consumidor da América Latina para que esteja mais familiarizado com o pagamento por celular e passe a usá-lo em seu dia-a-dia.

Conclusões gerais
Os resultados do Índice mostram que também é preciso fortalecer e consolidar a infraestrutura e as parcerias entre os principais players da área de pagamentos por celular, como bancos, operadoras e governos;

· Brasil: apesar de ainda estar em um estágio inicial de adoção de pagamentos móveis, quando relacionado com outros países do índice, o mercado está fazendo grandes avanços. Parcerias e programas pilotos já estão acontecendo e o ambiente é bastante positivo para que o pagamento móvel se desenvolva no país;

· Colômbia: melhorias em questões regulamentares e uma maior aceitação de pagamentos móveis são iminentes para a capacidade de gerar negócios. Um ponto a favor é que o país possui leis bem desenvolvidas relativas à tecnologia da informação, o que mostra a importância do setor e dá um sinal positivo para o futuro da Colômbia em pagamentos móveis;

· Argentina: educação dos consumidores, pilotos integrais e parcerias são as principais ferramentas que se apresentam aos players do setor, como emissores, empresas de telecomunicações e fabricantes de aparelhos. Estes fatores são essenciais para contribuir para elevar a consciência dos benefícios dos pagamentos móveis tanto para os consumidores como para o governo;

· México: os pagamentos móveis no país têm um caminho a percorrer até que se tornem uma opção de pagamento viável. Melhorias no setor de serviços financeiros e educação do consumidor ajudarão o México a construir um ambiente de pagamentos móveis.

“É evidente que a América Latina está no caminho certo para a adoção de pagamentos móveis,” afirma Jurgen Wassmann, responsável pela área de pagamentos emergentes da MasterCard na América Latina e Caribe. “Nessa região, a MasterCard também está tomando as medidas necessárias para desenvolver parcerias e apoiar o desenvolvimento de pagamentos móveis, além de educar as partes interessadas da cadeia de valor sobre as oportunidades neste setor.”

Para fazer o download do MasterCard Mobile Payments Readiness Index e acessar o mapa interativo com os dados do estudo nos 34 países, acesse o link: http://mobilereadiness.mastercard.com

Thales Brandão
CidadeMarketing

comunicação, telecomunicação, varejo, venda

Brasil tem mais de 227 milhões de celulares

Apenas em setembro foram 3,3 milhões de novos planos, diz Anatel

 

 Minha nossa, que coisa louca! Segundo pesquisa da Anatel – Associação Nacional de Telecomunicações – , em setembro registrou-se no Brasil  3,3 milhões de novos acessos de telefonia móvel. No total são 227,4 milhões de celulares habilitados no país. Quem segura as ações de Mobile?

Do total dos celulares no País, 185,6 milhões de aparelhos são pré-pagos (81,64%) e 41,7 milhões pós-pagos (18,36%).

Avante Marketeiros, Mobile com força total!